ourela logo black.png

Conheça um pouco dos nossos parceiros 

O Samaritanos é uma associação católica beneficente sem fins lucrativos que surgiu de uma ideia de jovens da Paróquia de Casa Forte que tinham o objetivo de fazer o bem e amar através de atitudes concretas.
Desde então saímos às ruas toda quarta-feira à noite para distribuir comida, amparo e amor a pessoas em situação de rua e pobreza. Motivados pelo exemplo e pela vontade de ajudar o próximo, nosso grupo de voluntários cresce toda semana, independentemente da fé e escolha espiritual de cada um.
Assim como toda organização sem fins lucrativos, dependemos de doações que podem ser feitas através de comida (doação e elaboração), material descartável ou suporte financeiro.

___________________________________________________________

___________________________________________________________

Prazer, sou a fundadora, designer e artesã da Morato, projeto pelo qual sou completamente apaixonada. Minha marca surgiu a aproximadamente um ano quando resolvi juntar duas grandes vontades, a de empreender com a de incentivar o minimalismo como estilo de vida.

 

Atualmente trabalho sozinha, então estou presente em todas as etapas do processo de produção desde a idealização até a divulgação. Com DNA 100% nordestino - simples, artesanal e aconchegante  - construí minha marca, procurando sempre trabalhar com materiais naturais como algodão cru, madeira e sementes, todos encontrados no centro da cidade por um processo semelhante ao de garimpo. Processo que acredito ser ideal pois além de incentivar o mercado local deixa as peças com a cara do Recife.

 

A Morato é uma marca de acessórios que nasceu com o propósito de valorizar a particularidade de cada indivíduo, tendo como missão fazer uma moda autoral e com sentimento, prezando sempre pela qualidade, singularidade e transparência, tanto nas relações interpessoais, quanto ao processo de produção.

 

 

Tendo a biomimética como primeiro pilar, a Morato considera a natureza como modelo medida e mentora, e o Slow Fashion como segundo, entende a importância de ser uma alternativa à produção em massa, defendendo e incentivando o consumo consciente, a fim de contribuir para um mercado de moda mais responsável e sustentável.

 

 

Dessa forma, a Morato lhe convida a fazer parte do movimento Fashion Revolution, se preocupando com todas as etapas e pessoas envolvidas no processo de produção e com o meio-ambiente - através da procura marcas mais transparentes, sustentáveis e conscientes.

Eu, Ana Rebeca Paiva da Silva, fundadora do decora, sou responsável pelo design dos produtos produzidos. Mas na produção tenho o meu pai, Edson Silva e Toni Carlos meu noivo que contribuem para fazer os produtos.

 

O decora começou através do curso que faço na faculdade de design, ao qual me identifiquei logo no começo. Mas teve grande influência de minha irmã que é defensora do meio ambiente e sempre falava em como melhorar a vivência humana com a natureza, acabei me apaixonando pelo assunto, então comecei a estudar como eu poderia juntar tudo sendo um só, arte mais sustentabilidade. Foi assim que o decora surgiu.

 

Como os produtos teriam que ser materiais que não denegrisse a natureza, estudamos a possibilidade de reutilizar matérias primas como vidro, papel, madeira e até reutilizar o próprio lixo que os seres humanos utilizam o tornando algo útil novamente para o uso.

 

O decora transmite uma consciência ambiental, que deveria vim da educação. Porém, nem todos que são educados criam a consciência dos seus deveres. A essência do decora é resgatar das pessoas o sentimento de pertencer a natureza e contribuir com ela.

Sou Amanda, Dona da marca @panoamostrado, eu que crio e confecciono as peças, participo de todo o processo desde a compra de materiais até a venda. Comecei a costurar desde pequena, depois de fazer o curso técnico de produção de moda e a graduação de design esse amor pela costura só aumentou. No final do curso de design criei a marca, e depois de alguns meses comprando tecido “novo” decidi mudar e apenas trabalhar com retalhos, pois sempre fui a favor da causa sustentabilidade e o fato de comprar tecido me incomodava. Os retalhos que utilizo vêm de descartes de grandes indústrias do agreste Pernambucano, especificamente da cidade de Caruaru. A partir do uso dos retalhos para a confecção das peças, poupamos uma mínima quantidade de resíduos indesejáveis na natureza, mas com certeza acendemos uma luz da sustentabilidade na consciência de muitos aumentando o nosso amor pelo planeta!